01 julho 2008

Mundo, estranho mundo


Notícia nº 1:
a partir de hoje, só maconha pode ser fumada em público na Holanda; tabaco está proibido

Sim, parece mentira, mas é a mais pura verdade. Quem duvidar, leia no Corriere Della Sera a notícia. Eu não defendo que se fume em público. Nem tabaco, nem maconha! O que não entendo é que se possa fumar um e não outro. Qual o mal que o cigarro “comum” faz que o de “canabis” não faz? E o “baseado” não deixa fumaça nem cheiro? O cigarro “comum” causa mortes e doenças que oneram o sistema público de saúde. O cigarro de maconha, idem.

Para piorar, o cigarro “comum” não altera a percepção, já o de maconha deixa a pessoa “lombrada”... O cigarro “comum” paga impostos e emprega pessoas. O cigarro de maconha alimenta o tráfico e alicia traficantes até entre crianças.

Motivos para proibir o fumo de tabaco em público: 1.000 motivos e é ótimo que seja proibido. Motivos para proibir o fumo de maconha em público: 1.001 motivos. Por que é liberado?

Notícia nº 2: na Suécia, menino exclui colegas de festa e o caso vai parar no Parlamento

Duvida? Leia no Terra Notícias e me diga. Há um número mínimo de convidados por festa? Preciso convidar meu vizinho, com o qual não me entendo? E todos os colegas de trabalho, mesmo aqueles que tentam “puxar o meu tapete”? E, principalmente, o Governo tem o direito de dizer quem entra na minha casa ou não?
Notícia nº 3: Holanda quer liberar sexo nos parques a partir de setembro

A notícia está no Portal G1. “A polícia holandesa quer liberar a partir de setembro o sexo em parques públicos.”

Detalhes:
  • A liberação já vale em alguns parques de Amsterdã;
  • O ato não poderá ser feito perto dos playgrounds e outros locais onde haja um grande número de crianças. (Como disse o amigo Trebor Basques, se forem apenas duas ou três crianças está liberado);
  • As camisinhas usadas terão que ser jogadas no lixo mais próximo. Isso é preocupação ecológica;
  • O vereador responsável pelo projeto pergunta “Por que devemos manter algo que atualmente é impossível de manter?”, mas o ato somente poderá ser praticado à noite. (ou seja, de dia vai ter que manter o que é impossível de manter. Ou, em outras palavras, o impossível de manter terá que ser mantido de dia.);
  • As duas ou mais pessoas que estiverem no meio do ato sexual também terão que controlar os barulhos. (Pergunta: e se os barulhos forem impossíveis de manter, aplica-se a regra anterior?);
  • Por outro lado, os donos de bichinhos domésticos poderão levar multas se andarem com os animais sem coleira. “Uma pesquisa mostrou que isto incomoda bastante aqueles que tomam sol e andar de bicicleta”, disse o vereador.

Coisas de um mundo em que o politicamente correto chegou há algum tempo e começa a dar “frutos mais graúdos” que o policiamento da linguagem, já discutido neste blog em Sobre certas coisas politicamente corretas - I e Sobre certas coisas politicamente corretas - II.

Um comentário:

MilfordMaia disse...

Minha cara Aleste,

É desta classe de leis e regras que o mundo está cheio.

Tenta-se, em vão, combater o sintoma, não a causa. Buscam soluções superficiais, falsas e infundadas.

Dão demasiada atenção às causas pequenas, ao invés de preocupar-se com as grandes causas, as maiores.

E porque? Simples, porque causas maiores exigem pensamentos maiores, preocupações maiores, ações maiores. E isso não interessa a almas e mentes pequenas, limitadas.

Hipocrisia? Imoralidade? Penso que vai mais além. É caso de insensibilidade, de indiferença.

Algo como 'não sou eu mesmo quem vai morrer, então que fume muito', ou 'não é minha festa mesmo, que qualquer um invada e faça o que quer', ou ainda 'não sou eu mesmo quem vai ver gente fazendo "dogging" (sim, isto tem nome, é fazer como os cães fazem!) no parque, então, que façam muito, pra todo mundo ver'.

Ninguém ganha com este tipo de atitudes. Nem mesmo ganham aqueles das falsas minorias, os das causas pequenas, pois infelizmente, todos perdemos, sem exceção.

Forte abraço! Visite o blog aqui ou acolá!